sexta-feira, 7 de março de 2014

Touradas à portuguesa na praça de Sevilha!...

D.L.

"...uma pequena desforra moral de Aljubarrota" 
:)

4 comentários:

  1. Ofélia
    Não consegui ler.
    Não se importa de me enviar esta notícia por e-mail?

    ResponderEliminar
  2. Fico muito grato por me ter enviado esta crónica por e-mail e assim já a consegui ler.
    Sobre D. Bernardo da Costa (Mesquitela) não há dúvida que foi um enorme aficionado, mas só à corrida ao uso de Espanha. Ele considerava que a pega dificultava a introdução do toiro de morte em Portugal e, portanto, não foram poucos os seus artigos contra os forcados.

    ResponderEliminar
  3. Não consigo deixar de apreciar a verve de D. Bernardo, embora nem sempre perfilhe as suas opiniões, nomeadamente no que respeita a questão dos forcados.
    Continuo sem perceber o motivo pelo qual os doc.s, no blogue, acabam por não ter a resolução esperada; o texto que lhe enviei é exactamente o que coloquei aqui! Mas o que interessa é que ficou resolvida a questão; sp que necessário, diga.

    ResponderEliminar
  4. D. Bernardo Mesquitela, nos seus escritos, nas suas crónicas que ainda hoje se podem ler, admitiu que a pega não teria grande futuro em Portugal. É dele o seguinte apontamento retirado de um Relatório apresentado em 1933: "...e substitui-se a cena final da morte do toiro pela pega, reminiscência das épocas mais atrasadas e selvagens do toureio e a negação da própria arte tauromáquica...a própria pega tende, naturalmente a desaparecer, se é que ainda não desapareceu por completo".
    Infelizmente D. Bernardo não viveu o suficiente para verificar que hoje em dia o forcado é o suporte da corrida de toiros em Portugal.

    ResponderEliminar